Os carros elétricos vieram para ficar. De acordo com a Federação Europeia de Transporte e Ambiente, a quota de elétricos nas vendas totais de carros na Europa deverá ter sido de 1,4 milhões de automóveis em 2020, 137% acima do registado em 2019.

Já em Portugal, de acordo com o relatório da UVE, em dezembro de 2020 foram vendidos mais 135,6% de carros elétricos em comparação com o período homólogo em 2019.

A tendência é para a mobilidade elétrica continuar a crescer: os especialistas preveem que em 2022 os carros elétricos sejam mais económicos do que os carros a gasóleo ou gasolina. Uma vantagem que, inevitavelmente, irá impulsionar as vendas.

Mas não são apenas as razões financeiras que estão na base destas mudanças de comportamento. Também as preocupações ambientais têm levado a população a optar por opções mais amigas do planeta e, por isso, a preferir carros movidos a fontes de energia limpas.

No entanto, ainda há várias questões relativamente aos carros elétricos, principalmente no que diz respeito aos carregamentos.


1. Combustíveis fósseis vs. Eletricidade

Foi com a Revolução Industrial, no século XVIII, que se começou a usar combustíveis fósseis e, desde então, o seu uso massificou-se. No entanto, nos últimos anos começámos a ver uma inversão nesta tendência.

Em 2019, por exemplo, foram vendidos mais carros a gasolina (que é menos poluente que o diesel) do que a gasóleo. E, como já referimos, a venda de carros elétricos tem vido a aumentar significativamente. Estes são uma alternativa limpa e mais amiga do ambiente, já que não dependem de combustíveis fósseis para circular.

2. Onde carregar um carro elétrico

Até há pouco tempo este era um dos principais entraves à adesão aos carros elétricos: a sua baixa autonomia, quando comparados aos carros de combustão, aliada à pouca oferta de postos de carregamento davam a ideia que os veículos ecológicos não eram os mais adequados para longas viagens.

No entanto, essa realidade está a mudar. Hoje em dia, existem soluções simples e inovadoras para o carregamento em casa - como a Plug-In EDP, a Gama Light, a Gama Standard e a Gama Premium, no caso de moradias; e os Premium Charger EDP e o Connect EDP, para quem mora em condomínios.

Além disto, a rede pública de carregamento MOBI.E está em crescimento e com o fim do período transitório, que terminou a 1 de julho de 2020, e com a atribuição da concessão dos postos da rede piloto a quatro empresas portuguesas, entre as quais a EDP Comercial, é de esperar que a rede se continue a expandir.


3. Como carregar um carro elétrico

A opção mais prática para carregar um carro elétrico é durante o período em que não precisamos de o utilizar, maioritariamente em casa e à noite. Em casa podemos carregar com as seguintes soluções:

carregar um carro elétrico secundaria
Tomada Convencional - usar uma tomada convencional com carregamentos até 10A, sendo que precisará de cerca de 8 horas para carregar o equivalente a 100 quilómetros de autonomia. Esta opção é menos recomendada porque as tomadas normais não estão preparadas para longas sessões de carga.

- Carregador - se tem um carro elétrico pode investir num carregador, um posto de carregamento doméstico de fácil instalação que garante maior rapidez – entre 4,5 a 2,5 horas, conforme a potência desse charger, para carregar o equivalente a 100 quilómetros de autonomia. Além da rapidez, a wallbox garante maior segurança do carregamento. Analise as várias opções tendo em conta a instalação elétrica de sua casa ou do seu condomínio.

Uma dica: aproveite a tarifa bi-horária ou tri-horária para carregar o veículo durante à noite.

Para carregar o seu carro elétrico enquanto está em viagem ou fora de casa pode recorrer à rede pública de carregamento MOBI.E. Para isso, precisa, primeiro, de ter um cartão para carregar em postos públicos. Para o conseguir só tem de escolher um dos Comercializadores de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME) - como a EDP - e aderir a uma proposta comercial. Depois disso irá receber o seu cartão de acesso a todos os postos de carregamento da rede MOBI.E. Para carregar num posto público deve

1. Passar o cartão
2. Selecionar o carregamento pretendido
3. Escolher a tomada
4. Ligar a ficha ao carro
5. Passar o cartão no posto e termine o carregamento
6. Retirar a ficha do carro

A rede MOBI.E conta com postos de carregamento normais, rápidos e ultra-rápidos. Contudo, e de forma a preservar a bateria do seu carro, os postos de carregamento rápidos devem ser evitados sempre que possível e utilizados apenas em casos de emergência. Não deve deixar que a bateria descarregue completamente. Recomenda-se que esta seja carregada apenas até aos 80%, para evitar o seu desgaste.

4. Quanto custa carregar um carro elétrico

Conduzir um carro elétrico é mais barato, uma vez que carregar a bateria custa bastante menos do que atestar o depósito. De acordo com o Índice Anual Car Cost Index 2020 da Leaseplan, em Portugal, ter um carro elétrico pode representar uma poupança mensal de 100 euros face a um veículo a diesel e de 219 euros em comparação com um carro a gasolina. No entanto, aquilo que irá gastar depende de muitos fatores e variáveis.

Até 1 de julho de 2020 apenas os postos de carregamento rápido (PCR) e os de carregamento normal em zonas privadas eram pagos. Contudo, ao terminar o período transitório, todos os postos de carregamento normal (PCN) de acesso público passaram a ser concessionados e pagos.

É importante saber que para além do valor base de consumo de energia por kWh, o custo de carregamento inclui outras taxas e tarifas.

Passamos a explicar: para poder utilizar os pontos de carregamento tem obrigatoriamente de ter um cartão de acesso e, com o fim da gratuidade, os cartões emitidos pela MOBI.E deixarão de ser válidos.

Para ter o seu cartão, tem de fazer um contrato com um dos Comercializadores de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica (CEME), onde irá ser definido o valor que lhe será cobrado para carregar o seu carro nos postos de carregamento. O contrato pode estipular um valor por kWh ou definir um valor fixo mensal.

Para além deste valor, o custo para carregar o carro elétrico inclui também a tarifa do Operador de Posto de Carregamento (OPC), que é da exclusiva responsabilidade da empresa concessionária e está indicada no posto de carregamento e na plataforma EV.Charge. Por fim, estes valores podem até variar de posto para posto (mesmo sendo operados pela mesma empresa), dependendo da procura.

Resumindo, o custo de carregamento de um carro elétrico depende:

  • Da tarifa definida no contrato com o CEME
  • Da tarifa de operação do posto de carregamento
  • Das taxas e impostos a pagar ao Estado

Se contemplarmos a EDP Comercial como CEME contratado e também como empresa que operacionaliza o posto escolhido, a poupança pode ser de 18 euros por carregamento, num carro com uma autonomia de cerca de 300 quilómetros.

Este valor pode servir de referência para a poupança, mesmo ao nível dos carregamentos feitos em casa, no entanto este valor está dependente do contrato e das condições que cada cliente tem.

Resumindo, apesar de os carros elétricos ainda serem mais caros do que carros movidos a combustíveis fósseis – diferença que vai diminuir significativamente nos próximos tempos, com o desenvolvimento da tecnologia e baterias -, o que se consegue poupar em combustível ao longo dos anos permite abater a diferença. Com a App EDP EV.X pode, através dos seus padrões de condução, calcular os benefícios financeiros e ambientais que um veículo elétrico pode gerar.

A isto junta-se o facto de a autonomia dos carros elétricos ser cada vez maior – existem carros com autonomias superiores a 600 km – e de existirem hoje diversas alternativas de carregamento (casa, trabalho e rede pública), sendo que a tendência é para que cresçam exponencialmente nos próximos anos, como vimos neste artigo.

Para além disso, deve ainda ter em conta todas as vantagens financeiras de ter um carro elétrico e que, ao fim do ano, representam uma poupança significativa na carteira: estacionamento gratuito nalguns municípios e isenção de Imposto Único de Circulação (IUC) e Imposto Sobre Veículos (ISV).