Truques para um regresso às aulas sustentável

Truques para um regresso às aulas sustentável

É ainda a meio do verão, quando muitas famílias estão de férias, que começam os anúncios e promoções relacionadas com o regresso à escola e com o material escolar. Quase um prenúncio de que a praia está a acabar. Chega setembro e é mesmo necessário "recordar a matéria" e preparar tudo para o novo ano escolar, mas se quer fazê-lo de forma sustentável, também não precisa de entrar em correrias para as compras.

Respire fundo e siga estas dez dicas para poupar o planeta e a carteira, sem descurar na educação.

Veja O QUE AINDA SERVE PARA A ESCOLA

Um estojo ou uma mochila parecem irrecuperáveis depois de um ano de uso, mas se calhar basta uma rápida limpeza para ficarem como novos. Um emblema cosido ou um porta-chaves a ajudar o fecho meio estragado, também ajudam a dar-lhes uma nova vida, a estimular a criatividade dos miúdos e a fazê-los perceberem melhor o conceito de reutilização.

Se tem mesmo de comprar, evite as mochilas da moda, com imagens de super heróis ou personagens de desenhos animados. A qualidade muitas vezes não acompanha o preço elevado e rapidamente os seus filhos vão perder o interesse inicial. Aposte numa boa mochila de cor sólida, que possa durar vários anos. Procure nas lojas de desporto, que muitas vezes têm mochilas de qualidade a preços acessíveis.

Quanto aos lápis e outros materiais de maior desgaste, também há aí muita coisa para reutilizar. Nos lápis de cor se calhar só falta um ou dois; as borrachas estão pequenas e escuras mas há várias, é só limpar; e o último caderno de linhas não foi usado ou tem apenas duas folhas riscadas. Separe tudo, veja o que tem e o que falta antes de ir às compras.

ESPERe PELA LISTA DO PROFESSOR

Uma mudança de escola, de ciclo, de professores ou de ano traz sempre alterações às disciplinas. Por isso, procure resistir à tentação de ir a correr para a papelaria antes das aulas começarem; concentre-se sobretudo nos artigos óbvios como a mochila, o estojo e alguns lápis ou canetas de escrever; e aguarde pelas listas completas de material que os professores entregam.

Espere pela lista do professor

É também cada vez mais comum os alunos receberem um kit com alguns artigos oferecido pela junta de freguesia ou outra entidade, principalmente quando se trata de início de ciclo.

PROMOVa A ECONOMIA CIRCULAR

Veja junto da sua família, de outros pais da escola e da turma - ou mesmo nos grupos de redes sociais -, se há algum material que lhes faça falta, que possa trocar por um artigo que o seu filho vai precisar.

Se tem filhos a mudar de ciclo que já não vão precisar de algum tipo de material; se sobram estojos ou mesmo uma mochila; se há roupa e ténis que também já não servem a ninguém lá em casa; se ficou com bibes e t-shirts com emblema do pré-escolar; então também está na altura de promover a economia circular e tentar doar tudo isso a outras famílias a quem possa dar jeito ou fazer falta.

Quanto à roupa que ainda serve, não é um pequeno rasgão ou linha descosida que vai impedir a sua utilização. Um remendo, um botão de outra cor ou uma linha de reforço são seguramente mais sustentáveis do que uma nova peça de roupa, mesmo que seja barata.

APOSTe NA PARTILHA E EM COMPRAS CONJUNTAS

Outra excelente alternativa é promover a criação de cooperativas dentro de uma turma ou em disciplinas específicas, sobretudo aquelas que exigem muitos materiais e mais caros, como a Educação Visual e/ou Tecnológica. Em disciplinas deste tipo, em vez de cada aluno ter os seus próprios materiais, os mesmos podem ser adquiridos em conjunto e ser utilizados por todos os alunos. Isto fará com que todos os pais gastem menos na compra de materiais e ajudará os mais novos a compreenderem a importância de estimar os materiais e de partilhá-los com os colegas.

Aposte na partilha de compras conjuntas

A cooperativa permite ainda às crianças e jovens maior autonomia e responsabilidade. Por exemplo, ao nomear alunos como tesoureiros, em regime rotativo, irá ensinar-lhes competências de gestão de recursos, sejam eles materiais, financeiros ou humanos. Partilhe esta ideia com pais e professores, para que todos possam ganhar.

APROVEITe ATÉ O QUE NÃO SERVE PARA A ESCOLA

Da limpeza de armários e gavetas antes do novo ano sobram sempre lápis e canetas, folhas e cadernos, tecidos e restos de material de trabalhos manuais que podem ser reaproveitados. Guarde tudo numa grande caixa com divisórias para os seus filhos usarem em casa nos tempos livres ou para exercícios, até porque haverá sempre projetos escolares para fazer em casa.

As folhas soltas, pode juntá-las para rascunhos, desenhos ou treino de escrita, desde que tenham um lado em branco.

E faça o mesmo com as que arrancar de cadernos que vai mandar de volta para a escola. Ao reutilizar materiais para novas finalidades, estará a promover um planeta mais sustentável.

ALIMENTe A ECONOMIA LOCAL

Será quase inevitável uma ida às lojas de maior dimensão. Mas se é só para completar alguma coisa que falta, aposte no comércio local, evitando deslocações maiores e stress nas grandes superfícies.

Alimente a economia local

As livrarias e papelarias de bairro têm uma seleção de artigos maior do que se imagina - focada no que é mesmo necessário - e por vezes oferecem descontos para material quando se faz lá a encomenda dos livros escolares. Desta forma poderá estar a fazer melhores compras e, acima de tudo, a ajudar a sua comunidade mais próxima.

ESCOLHa MATERIAL ESCOLAR ECOLÓGICO

Fique atento aos rótulos e escolha produtos ecológicos ou de marcas com essa preocupação, procure materiais reciclados, e não se esqueça de que, muitas vezes, o barato sai caro. Se um caderno, dossiê, ou uma caneta azul é mais acessível na marca branca e faz o mesmo efeito, já um conjunto de lápis de cor, de cera ou de marcadores baratos, dificilmente irá durar o mesmo, obrigando a nova compra a meio do ano.

RECICLE O MATERIAL ESCOLAR COM CUIDADO

Temos sempre vontade de guardar todos os esboços que saem da cabeça dos nossos pequenos "Picassos", mas isso acaba por ser uma missão impossível. A preparação do regresso às aulas é uma boa altura para fazer a triagem do que verdadeiramente queremos, ou podemos manter em casa, aproveitando para reciclar tudo o que está a mais, incluindo materiais que já não podem ser reutilizados.

Não se esqueça de colocar o que é papel no ecoponto azul e plásticos no amarelo, mas também de que há coisas que têm mesmo de ir para o lixo comum. Canetas ou marcadores, apesar de serem maioritariamente feitos de plástico, não podem ser reciclados como embalagens desse material. O mesmo para as capas plásticas de cadernos ou dossiês, que também não devem ser colocadas no caixote amarelo. E se tem dúvidas sobre como fazer a separação da forma mais correta, pode sempre visitar aplicações como a Wasteapp.

PREPARe UMA LANCHEIRA SAUDÁVEL

Planeie, faça ementas com antecedência e aposte na fruta e nos vegetais, deixando de lado os alimentos com muito açúcar, muitas gorduras e muito plástico. Compre os produtos regularmente nas lojas de bairro e vá mantendo opções no frigorífico e na despensa, para não ter a tentação de recorrer ao pacote de leite com chocolate ou às bolachas industriais.

Se precisa de comprar uma lancheira, evite o plástico e os produtos descartáveis, optando por sacos de algodão; talheres de bambu ou inox; caixas; copos e guardanapos reutilizáveis. E não se esqueça de que a fruta já tem a sua embalagem natural, a casca.

USe OS TRANSPORTES PÚBLICOS, A BICICLETA… OU Vá A PÉ

Ano novo, percurso novo. Esta deve ser a sua máxima de sustentabilidade para a mobilidade no regresso às aulas. Quer haja mudança de escola ou o estabelecimento seja o mesmo, se usou o carro no passado, tente estudar uma alternativa mais ecológica este ano, conciliando os horários da escola e do trabalho.

Use os transportes publicos, a bicicleta ou vá a pé

Uma excelente prática é utilizar os transportes públicos, que possibilitam uma mobilidade rápida, eficaz e económica. E, a partir de uma certa idade, as crianças e jovens poderão utilizá-los de forma autónoma. Comece cedo a educar os mais pequenos a andarem em transportes públicos para irem para a escola e a sensibilizá-los para as boas práticas – e também para eventuais perigos - para que, mais tarde, a sua adaptação seja fácil. Desta forma, vai fazer com que os mais pequenos se sintam “crescidos” e responsáveis.

E se calhar nem precisa de um transporte público. Pode bastar-lhe sair de casa 10 ou 15 minutos mais cedo para chegar à escola e ao emprego a horas, utilizando a bicicleta. Com o crescimento exponencial da rede de ciclovias, sobretudo em ambiente urbano, é provável que exista uma ciclovia que passe mesmo à porta e que dê para fazer o trajeto rapidamente e em segurança.

A outra alternativa é fazer o caminho a pé, no caso de viver a uma distância relativamente curta da escola. Caminhar com os seus filhos dá-lhe tempo de qualidade para conversarem e até brincarem, enquanto promove uma atividade física, sem que sequer se apercebam. E estará também a habituá-los para que, mais tarde, possam caminhar para as aulas sozinhos.

Qualquer que seja a opção escolhida, lembre-se: aposte na saúde, no ambiente e na carteira!

Se tem dúvidas sobre que artigos escolares consegue encontrar em versão mais sustentável, pode consultar as listas da Quercus com sugestões tanto para os materiais como para as refeições e cruzá-las com os pedidos dos professores aos seus filhos.

O regresso à escola é uma excelente oportunidade para introduzir mais sustentabilidade na nossa vida, e transmiti-la aos mais jovens. Junte-se também à Geração Zero e descubra outros hábitos que pode mudar e formas de ajudar o planeta no dia-a-dia.

 

Aproveite o regresso às aulas para começar a por as suas boas-ações em prática em prol de um planeta mais limpo!