Descubra algumas formas de reduzir a sua pegada ecológica enquanto viaja. 

O dilema é constante. Queremos preservar o planeta, mas não queremos abdicar do nosso estilo de vida e dos nossos pequenos guilty pleasures, sejam eles comer carne, tomar duches longos depois de um longo dia de trabalho, deslocarmo-nos de carro diariamente ou viajar.
Viajar é um prazer para muitas pessoas. Mas sabia que o turismo, sobretudo o de massas, é um dos inimigos do planeta? Porquê? As razões são fundamentalmente duas:

  • as altas emissões de dióxido de carbono (o turismo é responsável por cerca de 5% das emissões globais), provenientes dos meios de transporte usados, como os aviões e os navios de cruzeiro
  • o efeito, muitas vezes negativo, que o turismo de massas produz junto das populações locais – pela erosão do território ou pelas cidades, como Veneza, se tornarem quase inabitáveis (deixam de existir casas disponíveis para habitação, começam a haver falhas dos recursos, como água para os residentes, o lixo acumula-se, o comércio local desaparece)

Isto não significa, no entanto, que tem de deixar de viajar. Se as viagens são um luxo do qual não consegue abdicar, há várias medidas que pode adotar para ajudar a preservar o planeta. Siga as nossas dicas.

Escolha do meio de transporte

O avião e os navios de cruzeiro são os mais poluentes. Se possível, evite-os, optando por meios mais ecológicos, como o comboio. Se tal não for possível, tente compensar: ao comprar o bilhete de avião a maior parte das companhias áreas oferece uma opção em que, pelo pagamento de uma taxa, compensa a pegada ecológica deixada pela sua utilização daquele voo.

Vá para fora cá dentro

Tudo bem que o mundo é enorme e que há locais paradisíacos para descobrir e outras culturas para conhecer. Mas já pensou que, se calhar, no nosso próprio país há muito para visitar? Desta forma não só contribuiu para a economia local, como pode poupar nas emissões de dióxido de carbono das viagens de longo curso. Aliás, pode mesmo optar por viagens em meios de transporte não poluentes, como as bicicletas elétricas (ou as tradicionais, se as suas pernas aguentarem!). Há já algumas empresas - como a Portugal Best Cycling, a Bike Tours Portugal, a Live Love Ride ou a Portugal Bike Tours, entre outras - que organizam estas viagens e vai descobrir que, desta forma, tem outro tempo para usufruir da paisagem.

Viaje em época baixa

Ao decidir viajar fora dos meses mais concorridos, não só vai poupar algum dinheiro, uma vez que as tarifas dos hotéis e dos meios de transporte se encontram mais baratas, como vai contribuir para uma maior harmonia entre o volume de turistas no destino e as populações locais.

Opte por um alojamento sustentável

Há muitos hotéis que se orgulham de contribuir para um planeta melhor. Como? Desde logo pela sua construção: os materiais devem ser amigos do ambiente, com origens locais e não contribuindo, por exemplo, para a desflorestação. Além disto, a energia usada deve ser, na sua maioria, limpa, através do uso de painéis solares. Já a água, nestas unidades hoteleiras, é tratada como um bem escasso e os hóspedes são incentivados a um uso racional. Por último, são privilegiados alimentos produzidos localmente e o desperdício alimentar é evitado.

Além disso, há muitos hotéis que levam a sério a responsabilidade social, tendo em conta a comunidade onde se inserem, pagando ordenados justos, dando formação aos habitantes locais e recrutando-os para trabalhar nas suas instalações em vez de ir buscar empregados já formados a outros destinos ou recorrendo a mão-de-obra barata.

São também vários os hotéis que trabalham para preservar os locais onde se encontram, atuando com equipas de conservação da fauna e flora locais, podendo os visitantes contribuir para as mesmas através da sua visita – ao invés de causar ainda mais desgaste destas. É o caso de unidades como o Zmar, por exemplo, um eco resort localizado no interior do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, que tem como base a sustentabilidade ambiental, social e económica, com os seus bungalows em madeira e mobiliário feito de materiais recicláveis, bem como painéis solares que alimentam toda a herdade. No site Green Key pode aceder a um levantamento de hotéis verdes em Portugal.

Além disto, outros hotéis, por se encontrarem em locais do mundo em que as populações têm muito poucos recursos, procuram contribuir para a melhoria das condições de vida locais através da colaboração com instituições que promovem cuidados médicos ou educacionais, por exemplo. A revista Forbes internacional lançou no início de 2020 uma listagem dos hotéis mais sustentáveis do mundo que pode ser uma boa inspiração. Mas o truque é mesmo pesquisar, pesquisar, pesquisar.

Se o seu destino é mesmo Portugal, há inúmeras atividades que pode contemplar numas férias mais verdes. Por exemplo, por que não reservar parte das suas férias para, por exemplo, uma tarde de birdwatching na Ria Formosa, um ecossistema único no mundo? Ou, se tem crianças pequenas, que tal visitar uma das inúmeras Quintas Pedagógicas que existem de norte a sul do país? Na Quinta Pedagógica do Monte das Arouchas, em Serpa, pode interagir com os animais, mas também conhecer a horta e até fazer pão e compotas. Se prefere programas mais abertos, que tal ir explorar algumas das zonas verdes mais impressionantes do nosso país, como o Parque Nacional da Peneda Gerês, ou aproveitar os primeiros raios de sol para descobrir o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e toda a Costa Vicentina? Pode fazê-lo em espaços como o Craveiral Farmhouse ou na Figueirinha Ecorturismo

 

E no destino, o que deve ter em conta?

Já no destino, nada como continuar a pôr em prática as escolhas que já deve fazer no seu dia-a-dia:

  • Não deixe lixo na natureza, seja num parque, seja numa praia. Se não houver um caixote adequado, leve o lixo consigo até que o possa colocar no sítio certo. 
  • Compre apenas o imprescindível e evite as habituais lembranças de plástico, os famosos souvenirs produzidos em massa, privilegiando a arte local em materiais sustentáveis.
  • Evite imprimir bilhetes e cartões de embarque que podem ser digitais e ande sempre com uma garrafa reutilizável para a água para não comprar garrafas de plástico. 
  • Nos hotéis opte por não lavar diariamente toalhas e lençóis, e rejeite os plásticos de utilização única (palhinhas, copos de plástico, as embalagens individuais de gel de banho oferecidas pelos hotéis).
  • Tenha sempre em atenção o bem-estar dos animais (os passeios de elefante, por exemplo, devem ser evitados, bem como a típica fotografia com um animal selvagem em cativeiro) e das populações (atenção às fotografias de crianças locais, por exemplo).
  • E nunca traga recordações proibidas para casa (bocados de coral, pedaços de muro famosos, dentes de marfim, entre outros). 

Nem sempre é possível fazer do mundo, ou do local visitado, um lugar melhor. Mas é possível não o piorar. Boas viagens!