fornecedores > Análise de Risco > Gestão do Risco na Cadeia de Fornecimento

Gestão do Risco na Cadeia de Fornecimento

A atividade de compras do Grupo EDP contribui decisivamente para garantir o reconhecimento da EDP como líder em sustentabilidade, pela elevação ética e responsabilidade ambiental, social e económica das suas práticas, tendo por objetivo permanente aumentar a produtividade e desenvolver vantagens competitivas. A atividade de compras promove um perfil de negócio de baixo risco e máxima eficiência, numa perspetiva de longo prazo, e é um dos pilares da Agenda Estratégica da EDP 2014-2017. A Gestão de Risco obedece ainda à Política Corporativa de Gestão Empresarial de Risco.

Abordagem à Gestão do Risco

 

O objetivo de mitigação de riscos e eficiência máxima determina que o modelo organizacional da UPG seja operacionalizado de acordo com categorias de compras e que o processo decisional obedeça a um rigoroso protocolo de procedimentos. Os objetivos de mitigação de riscos podem ser visualizados no seguinte diagrama:
 
 
 
 
Risco Contrato
 
A análise de riscos começa por identificar os riscos específicos do tipo de bem ou atividade que se visa contratar. Estes riscos podem ser de natureza técnica, económica, reputacional, ambiental e social e vão definir as exigências que serão incluídas nos cadernos de encargos.
 
O Grupo EDP utiliza dois instrumentos principais para mapear os riscos específicos de sustentabilidade de cada tipo de bem ou atividade:
  • Riscos de Atividade Económica – Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento - lista de riscos ambientais e sociais associados a cada atividade económica organizados de acordo com o sistema de classificação de atividade da União Europeia, NACE 2.0, revisão 2014.

 

  • Matriz de Impactos Programa de Qualificação PSE– Matriz de riscos que identifica impactos potenciais negativos para a EDP e que deverão ser mitigados pelo caderno de encargos. 
 
 
 
Risco Empresa 
 
As empresas convidadas a apresentar propostas de fornecimento são selecionadas de acordo com o nível de exigência dos cadernos de encargos. Para o efeito, as empresas devem estar registadas na EDP e, em função da natureza do contrato, poderão ter de estar qualificadas.
 
São valorizados, entre outros, os seguintes aspectos:
 
  • Análise de risco dos fornecedores a consultar;
  • Avaliação de fornecedores;
  • Resultados de auditorias efectuadas;
  • Informação sobre Responsabilidade Social Corporativa;
  • Experiência/resultados de contratos análogos com outras entidades;
  • Ausência de litígios e/ou dívidas ao Grupo EDP.
 
O Grupo EDP utiliza dois instrumentos principais para garantir a mitigação dos riscos na seleção de empresas fornecedoras:
 
  • Avaliação do Fornecedor – é baseado no Sistema de Registo de Fornecedores que inclui um sistema auto declarativo de cada empresa, os resultados de avaliações externas e de avaliações realizadas pela EDP. Este sistema gera uma notação de risco e de sustentabilidade para cada empresa. Entre outras, são utilizadas as seguintes fontes de informação externa: Achilles, Dun & Bradstreet , RepRisk
 
  • Qualificação do Fornecedor e do bem ou serviço a fornecer – a qualificação de fornecedores é o processo de homologação de fornecedores habilitados para o fornecimento de uma determinada categoria de bens ou serviços, num quadro de superior exigência técnica, ambiental, social e económico-financeira. Por esta via é pré-garantida a mitigação de riscos.
 
 
 
 
Risco País
 
O risco país influencia a avaliação de risco dos contratos e das empresas fornecedoras e tem implicações no processo de decisão de compras. Utilizando uma metodologia de Business Intelligence, a UPG recorre a várias fontes externas credíveis para desenvolver um processo permanente e sustentado de análise de risco. A EDP privilegia o cruzamento de informação de risco atípica que complementa os rankings convencionais. Duas das fontes externas para a análise de risco são:
 
  • RobecoSam – esta entidade desenvolve o Country Sustainability Ranking com a finalidade de propiciar um novo patamar de informação para apoiar as decisões dos investidores em títulos soberanos. A EDP utiliza esta fonte para gerar um mapa inverso de riscos país e identificar subtemas de análise.
 
 
  • RepRisk – esta entidade monitoriza continuamente as notícias com impacto negativo económico, social e ambiental e permite obter uma visão dos riscos país ligados às atividades das empresas, cobrindo os temas do Global Compact. A EDP utiliza o RepRisk tanto para a avaliação de risco de empresas como para avaliação de risco país. O RepRisk permite estabelecer uma visão contrastante, atualizada e muito detalhada face aos rankings convencionais.
 
 
 

 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.